Segunda-feira, 23 de Julho de 2007

Abrantes, a ESTA, e o museu ibérico de Arqueologia

post por Ana Clara (*)


Chegam-me a Lisboa notícias do futuro Museu Ibérico de Arqueologia e Arte da minha cidade. Pelas informações de que disponho, o projecto vai integrar igualmente um Centro de Investigação em Arqueologia que será instalado no Edifício do Convento de S. Domingos, considerado um edifício de «interesse público», localizado mesmo junto ao edifício da Biblioteca Municipal.

O protocolo de colaboração entre a Câmara de Abrantes e a Fundação Ernesto Lourenço Estrada, Filhos com vista à criação do Museu Ibérico foi assinado no passado mês de Março e, nessa medida, a Fundação põe à disposição da autarquia, presidida por Nélson de Carvalho, o seu espólio museológico de que é e continuará sempre a ser proprietária. Fico contente com a notícia.

Contudo, a verdade é que as instalações do Convento de S. Domingos servem igualmente a Escola Superior de Tecnologia de Abrantes (ESTA) — pólo do Instituto Politécnico de Tomar (IPT) — que abriu as suas portas em Outubro de 1999. O edifício em causa, cedido gentilmente pelo município, no âmbito de um esforço conjunto das respectivas instituições, para alargar o espaço da ESTA, é assim, palco de várias salas de aula, laboratórios e estúdios de rádio do curso de Comunicação Social.

Ora a questão que se coloca — e ponho-a exactamente por desinformação — é somente uma: para onde vão ser transferidos os estúdios de rádio?

Recordo que, tais estúdios, foram construídos de raiz, equipados com o melhor material que já vi em Portugal numa universidade em que se lecciona Jornalismo e que em muito podem ajudar os jovens alunos aspirantes a jornalistas a desenvolverem as suas apetências técnicas na área citada. Segundo alguns abrantinos que me têm colocado o problema, realmente torna-se difícil perceber para onde transitarão as provisórias instalações da ESTA situadas no Convento de S. Domingos.

Certamente que no edifício central da ESTA não será…porque quem o conhece sabe bem que, em termos de estrutura física, é impossível realizar mais obras de alargamento.

Será que alguém pode esclarecer uma mera cidadã abrantina, emigrada, é certo, mas que não deixa de acompanhar a cidade onde nasceu, cresceu e estudou?


(*) Jornalista
publicado por ocheirodesantarem às 16:50
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. ...

. teste live

. O cheiro a silêncio em Sa...

. Debate EM DIRECTO entre o...

. Fotos 02/06

. Feira da Agricultura de 5...

. Deolinda em Torres Novas ...

. "Moranguitos" promovem tu...

. Bruno Nogueira filma "ske...

. Benfiquistas comemoram tí...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds